Curta Dicasdevida no FACEBOOK e Google+

28 Dicas para sua sala de Jantar

Até o fim os anos 50, as salas de jantar eram amplas com pé-direito alto e recheadas de móveis escuros e severos – mesa com até 20 lugares, cadeiras robustas de espaldar alto, o indispensável bufê e, claro, a cristaleira -, todos na mesma linha. A modernidade trouxe salas bem menores – onde as áreas de jantar e de estar são separadas por dois ou três passos -, e instaurou a mistura de estilos, cores e materiais. Veja como resolver a área destinada ao jantar nessas dicas de especialistas.

Acertando na MESA  1° Muita gente sonha com uma mesa de jantar grande, mas é um contra-senso se o living tem apenas o clássico conjunto de sofás de 3 e 2 lugares – ou seja, onde se acomodam 5 pessoas. O jantar deve ser proporcional.

2° É preciso lembrar que a sala é para você e sua família – não para visitas. E que hoje em dia há poucas ocasiões para um jantar formal – prevalece o estilo americano mesmo, bem descontraído.

3° Antes de escolher a mesa é preciso definir o espaço, medindo as paredes e deixando no mínimo 80 cm para as cadeiras – menos que isso, o usuário fica espremido e desconfortável.

4° Embora a grande tendência seja a mesa quadrada, a redonda é ideal para ambientes menores, não só porque permite melhor circulação como porque acomoda mais gente.A mesa redonda para 4 pessoas mede o mínimo 1,00m de diâmetro; para 6 pessoas, 120m (a quadrada, 1,30 x 1,30 m) para 8 pessoas, pula para 1,50m (a quadrada de 1,60 m); e para 10 pessoas, chega na marca de 1,80 de diâmetro.

5° Outra boa opção é uma mesa retangular com um lado escostado na parede; quando necessário, é só puxar e usá-la inteira. Para acomodar 6 pessoas, calcule 0,90 m de largura; para 8, é preciso 1,00 m. Para cada pessoa conte pelo menos 0,60 m para definir o comprimento.

6° Se você está redecorando o jantar e quer seguir a moda, pode comprar duas mesas quadradas e deixá-las juntas, compondo um retângulo, ou separadas – de acordo com as necessidades.

7° Com relação à altura o máximo é 0,75 m, ou as pessoas terão de levantar os ombros e ficarão desconfortáveis.

8° Entre muitas opções, a base pode ser metal ou madeira e o tampo, de mármore ou vidro. Brinque com tons, materiais e estilo, levando em conta que o branco e as cores claras ampliam o espaço, assim como o vidro.

9° A localização ideal? Se a mesa puder ficar próxima à cozinha, perfeito! Se for quadrada ou retangular, colocada na diagonal em relação às paredes, dá um efeito interessante. No papel principal,

CADEIRAS 10° Muitos decoradores hoje consideram as cadeiras os elementos mais importantes da sala de jantar, por isso mesmo elas precisam ser extremamente confortáveis. As cadeiras comuns tem cerca de 45 cm de largura, o que nem sempre é suficiente para um adulto.

11° Se sua mesa tem pés de aço e tampo de vidro, experimente combinar com cadeiras de madeira ou de ferro pintado de branco; é uma das tendências atuais.

12° Naturalmente, cadeiras estofadas são mais confortáveis do que as rígidas, mas também são mais pesadas visualmente. Almofadas sob medida podem resolver o assunto.

13° é melhor não optar por tecidos muito claros: se preocupar com pequenos incidentes com molhos pode prejudicar a digestão… Aplicar produtos impermeabilizantes, como Scorchgard, ajuda, mas não resolve. Prefira tecidos laváveis, como camurça, chenille e jacquard (opções mais trabalhadas disfarçam eventuais manchas)

14° As cadeiras não precisam ser todas iguais – nem na forma, nem no material. Essa é outra tendência nova. Em mesas retangulares a variação pode ser apenas nas cabeceiras (peças de vime e junco, em contraste com as demais, em madeira e metal) Em mesas quadradas, cadeiras iguais apenas frente a frente, num duo divertido. Em mesas redondas, colocação alternada, jogando com cores diferentes. Esses são alguns exemplos. Pode-se ainda misturar várias cores em tecidos lisos ou com listras finas, ou optar por padrões em composé na mesma cor.

15° Cadeiras com braços são muito mais confortáveis, mas ocupam bem mais espaço que as comuns. Uma boa opção é usá-las somente nas cabeceiras da mesa retangular. Nas quadradas assim como nas redondas, o ideal é que tenham também rodízios, facilitando dessa forma a movimentação dos comensais.

A melhor ILUMINAÇÃO16° Capítulo importante na hora de comer, a iluminação deve ser estudada com todo cuidado. É essencial definir exatamente o lugar da mesa para planejá-la. Pode-se usar plafond ou spots estratégicos, mas um pendente no centro da mesa é o mais indicado.

17° Mesmo optando por um lustre central, exija um modelo em que as lâmpadas sejam protegidas por vidro, para não esquentar demais nem ofuscar a vista.

18° Se o ponto de luz não estiver coincidindo com centro da mesa, vale deslocar o lustre com corrente ou com um fio encapado na mesma cor do teto, que fica discretíssimo.

19° Para alguns, o lustre pendente deve ficar entre 0,70m e 1,00m de altura em relação á mesa. Para outros, é a dona da casa quem determina a medida: deve ficar um pouco mais alto do que ela. Mas todos concordam: é fundamental a luz se espalhar por igual sobre a mesa.

20° Você pode combinar dois tipos de iluminação no jantar: um pendente no centro da mesa e em torno das lâmpadas embutidas em rebaixo de gesso – recurso que exige mão-de-obra especializada.

21° Como as lâmpadas dicróicas esquentam muito e as fluorescentes dão um tom de escritório à pele de quem estiver sob seu efeito, é melhor adotar as incandescentes – procure um tipo especial existe no mercado, que confere uma luz dourada ao ambiente.

22° Cuidado para não exagerar na dose, pois o excesso de claridade irrita. Instalar no interruptorum dimmer, que regula a intensidade da luz, é uma boa pedida. Com ele, você pode criar um clima ideal para um jantar mais romântico.

Bufê e outros COADIJUVANTES 23° O bufê não tem papel importante apenas nos dias de festa. Além de ser uma ótima opção para guardar o serviço, pode fazer as vezes de aparador quando o tampo é de mármore ou protegido por vidro, para receber pratos quentes e úmidos.

24° Se o espaço for pouco para o bufê, uma alternativa  é adotar pequenos móveis espalhados pelos cantos, que podem funcionar também como mesinhas de apoio.

25° Outra opção é o aparador, menor e mais leve (basta 0,40m de profundidade) – na mesa, as travessas dificultam o serviço e desorganizam o visual.

26° Tapete sob a mesa não é aconselhado. Se fizer questão, calcule 0,80m a mais de cada lado além da mesa,  para o livre movimento das cadeiras sobre ele.

27° Compre a toalha de acordo com o formato da mesa. Calcule o caimento à volta da mesa em torno de 20 cm, ou seja: para uma mesa quadrada de 1,20m de lado, toalha de 1,60 x 1,60 m. Toalha até o chão (sem arrastar), só em festas em que os convidados não sentam à mesa. Quanto à cor e ao padrão, o branco é praxe em noite gala; ocasiões informais permitem a descontração dos tons mais fortes e das estampas, combinando com o serviço de jantar.

28° Por fim, um enfeite, pelo menos um. Aí o gosto fala mais alto do que as regras. Se as paredes forem de cor neutra, um quadro bem colorido fica ótimo e um com texturas claríssimas, também. Paredes de tom vivo pedem algo neutro, mas você pode obter um efeito espetacular com um quadro-escultura multicolorido, por exemplo.

Fonte: Revista Utilíssima

Documento sem título
 

Receba nossas atualizações em seu email.